Notícia
Jogadores

Cristal Rocha II

Foi na cidade interiorana chamada Descalvado que nasceu Cristal. Para quem não sabe, essa é a terra natal de Mariana Helena Cardoso, campeã do Pan na Colômbia em 1971 e posteriormente treinadora do Brasil nos Jogos Olímpicos de 1992.
Um dos aspectos mais interessantes da carreira de Maria Helena foi sua participação em 1967, numa partida entre Brasil e a antiga Tchecoslováquia. A partida foi acompanhada por comissários da FIBA e é lembrada até hoje como responsável por impulsionar o basquete feminino como modalidade olímpica em 1976, no Canadá.
O sonho da conterrânea Cristal é exatamente este: ver o Basquete 3×3 incluso nos Jogos Olímpicos. “É um sonho de criança, seria uma experiência incrível e uma realização após tantos anos me dedicando ao esporte. Pelas competições que venho disputando, os troféus que ganhei, acredito que eu teria meu espaço no time que fosse representar o Brasil”, diz Cristal.
Ela já perdeu as contas de quantos títulos já conquistou no 3×3, mas o que não deixa dúvidas é sua referência nacional na modalidade. A paulista vive intensamente o 3×3 desde sua chegada oficial ao País, sem falar nas duas décadas de total dedicação e amor ao basquete tradicional.
A jogadora do The Choice também atua como educadora física, dá palestras para jovens carentes sobre a importância social do esporte e aconselha:
1- “Dedique-se totalmente ao desenvolvimento da sua habilidade no jogo, tenha raciocínio rápido. Sem isso, você vai deixar a desejar e não conseguirá acompanhar os adversários”
2- “Nos treinos, recomendo fazer bastante fundamento: bater bola, passe, lance livre e arremessos fora do arco. Depois de melhorar a parte técnica, comece a pensar em posicionamento e desenvolver a parte tática”
3- “Se você for um jogador pesado, busque adquirir velocidade, já que força esse tipo de jogador já naturalmente possui. Vale a pena investir na agilidade porque o 3×3 é um jogo intenso e requer também habilidade a todo instante”
4- “Eu gosto de formar meus times sempre com jogadoras leves, estatura mediana e com habilidade, mas isso é da preferência e disponibilidade de cada um” 
5- “Não desanime. Ninguém atinge o alto nível não é da noite para o dia, são etapas que você precisa superar como todo atleta. A verdade é que não existe uma escolinha ou um centro especializado para isso. No começo, quem estiver a fim de jogar o 3×3 precisa ser na raça, vai para o parque e começa a praticar”